Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Historiador Daniel Bastos apresenta conferência e livro sobre a emigração portuguesa em Toronto




No âmbito das comemorações do Dia de Portugal no Canadá, o historiador Daniel Bastos apresenta no dia 12 de junho (domingo), às 18h00, na Galeria dos Pioneiros Portugueses em Toronto, uma conferência sobre a história da emigração portuguesa.  

A iniciativa, aberta à comunidade portuguesa de Toronto, estimada em cerca de 300 mil portugueses e luso-descendentes, é promovida pela Galeria dos Pioneiros Portugueses, um Museu criado em 2003 que se dedica à perpetuação da memória e das histórias dos pioneiros da emigração portuguesa para o Canadá.

Daniel Bastos

A convite da instituição, que pretende dar-se a conhecer à comunidade canadiana em geral e a outras culturas, e numa altura em que a emigração portuguesa atinge níveis históricos, Daniel Bastos vai revisitar o fenómeno migratório como um dos traços estruturais da história de Portugal, e o seu impacto nas comunidades de origem e de destino.

Durante o evento, o investigador da nova geração de historiadores portugueses, que tem agendado durante a sua estadia na maior cidade do Canadá diversos encontros com as comunidades lusófonas, apresentará o seu mais recente livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”. 

Convite

A obra, uma edição bilingue, que conta com prefácio do multipremiado pensador Eduardo Lourenço, foi concebida a partir do espólio do conhecido fotógrafo franco-haitiano Gérald Bloncourt, e reúne mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. Como as que o fotógrafo realizou sobre a viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, as da sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, ou as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 na capital portuguesa, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Capa do livro

Refira-se, que ainda no dia 10 de junho (sexta-feira), o escritor e historiador vai ser recebido na companhia do cofundador da Galeria dos Pioneiros Portugueses, comendador Manuel da Costa, no Consulado Geral de Portugal em Toronto. E que no dia 11 de junho (sábado), participará na quarta edição do Dundas West Fest, um evento cultural de referência da comunidade portuguesa em Toronto.

Galeria dos Pioneiros Portugueses

Com diversas participações em conferências nacionais e internacionais, assim como artigos e livros publicados no domínio da História Portuguesa, Daniel Bastos é licenciado em História e Pós-Graduado em Ética e Filosofia Política. Docente, historiador e escritor, tem ao longo do seu percurso literário alicerçado junto das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo, recebido várias distinções e prémios.

domingo, 15 de maio de 2016

Paris foi palco de apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”



No passado dia 12 de maio (quinta-feira), foi apresentado na capital francesa o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

A obra, concebida pelo escritor e historiador português Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo franco-haitiano, foi apresentada no Consulado-Geral de Portugal em Paris, numa sessão que encheu a Sala Eça de Queirós e que esteve a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

©Mário Cantarinha

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo pensador Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. 

No decurso da sessão, que contou com a presença do consagrado fotógrafo, e vários representantes da comunidade e diplomacia portuguesa em terras gaulesas, como o Embaixador de Portugal em França, José Filipe Moraes Cabral, o Cônsul-Geral de Portugal em Paris, António Albuquerque Moniz, e o deputado eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco, todos foram unânimes em considerar que as fotografias de Gérald Bloncourt imortalizaram a história da emigração portuguesa para França. E que este livro constitui uma homenagem aos protagonistas anónimos da história nacional das décadas de 50, 60 e 70, todos eles representados num homem que durante mais de 30 anos escreveu com luz essa grande epopeia dos emigrantes lusitanos.

©Mário Cantarinha

©Mário Cantarinha

©Mário Cantarinha

©Mário Cantarinha

©Mário Cantarinha

©Mário Cantarinha

©Mário Cantarinha

O encerramento da sessão ficou marcado pelo anúncio oficial do Embaixador de Portugal em França, José Filipe Moraes Cabral, de que o Presidente da República irá condecorar, durante as cerimónias do 10 de Junho em Paris, o fotógrafo Gérald Bloncourt com a Ordem do Infante D. Henrique.

A sessão de apresentação do livro, que é patrocinado por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, com particular destaque para a seguradora Fidelidade, o hipermercado E. Leclerc, e as empresas Almeca e Aluminel, incluiu ainda uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, uma dos maiores produtores nacionais de vinho verde.

© Isabelle Repiton

© Isabelle Repiton

© Isabelle Repiton
©António Freitas

Refira-se que o lançamento da obra na capital francesa serviu de mote para a realização na tarde de 14 de maio (sábado), de uma tertúlia no Lusofolies em torno da temática da emigração. Esta iniciativa, que encheu um dos espaços culturais de referência da Lusofonia em Paris e comportou a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, foi promovida pela Associação Memória das Migrações, que através do seu presidente Parcidio Peixoto, divulgou os seus objetivos de proceder à recolha de conteúdos de natureza diversa relacionados com a história da comunidade portuguesa em França, em estreita cooperação com o Museu das Migrações e das Comunidades Portuguesas.

VÍDEO DA SESSÃO:
https://www.youtube.com/watch?v=m4zhXSoEfHk 

Publicado a 15/05/2016
R.L.TV
RaizLusitanaTV
Joaquim Pereira

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Terras de Barroso receberam apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”



No passado domingo (8 de maio), foi apresentada nas Terras de Barroso o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

A obra, concebida e realizada pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos 60, foi apresentada no Centro Interpretativo das Minas da Borralha, em Salto, concelho de Montalegre, numa sessão muito concorrida que contou com a presença do presidente do Município de Montalegre, Orlando Alves, do presidente da Junta de Freguesia de Salto, Alberto Fernandes, e da Diretora da Biblioteca Municipal de Montalegre, Gorete Afonso. 



Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo pensador Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século












No decurso da sessão promovida pela Associação Recreativa e Cultural das Minas da Borralha, e que esteve a cargo do antropólogo João Azenha, coordenador do Centro Interpretativo das Minas da Borralha-Ecomuseu do Barroso, quer o autarca montalegrense e como o responsável cultural assinalaram a importância da obra no contexto da história da emigração portuguesa. Realçando o simbolismo da apresentação da mesma numa antiga localidade mineira que é fortemente marcada pelo fenómeno migratório.














Refira-se que na próxima quinta-feira (12 maio), o livro será apresentado no Consulado de Portugal em Paris, às 18h30, numa sessão aberta à numerosa comunidade portuguesa radicada na capital francesa, e que contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França.

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” na capital francesa



No próximo dia 12 de maio (quinta-feira), é apresentada na capital francesa a obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido pelo escritor e historiador português Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração lusitana para França nos anos de 1960, é apresentado às 18h30 no Consulado de Portugal em Paris.
 
Gérald Bloncourt ladeado pelo historiador Daniel Bastos (dir.) e pelo tradutor Paulo Teixeira (esq.)
Convite

A apresentação da obra, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, com prefácio do pensador Eduardo Lourenço, contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França, e estará a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.
 
Consulado de Portugal em Paris

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, que já integraram várias exposições em Portugal e França, e que fazem parte do arquivo da Cité nationale de l’histoire de l’immigration, a obra reúne ainda memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes lusitanos além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.
 
Capa do Livro

Contra-capa do Livro

Segundo Daniel Bastos, investigador da nova geração de historiadores portugueses com um percurso literário alicerçado junto das comunidades lusófonas, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, constitui “um justo reconhecimento aos protagonistas anónimos da história portuguesa que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade. Todos eles representados por uma personalidade ímpar que durante mais de trinta anos escreveu com luz a vida dos portugueses em França e em Portugal”.

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, com particular destaque para a seguradora Fidelidade, o hipermercado E. Leclerc, e as empresas Almeca e Aluminel, e que esta apresentação na “cidade luz” incluirá ainda uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, um dos maiores produtores nacionais de vinho verde.

O lançamento do livro na capital francesa será o mote para a realização no dia 14 de maio (sábado), a partir das 16h00, de uma tertúlia no Lusofolies em torno da temática da emigração. Esta iniciativa, num dos espaços culturais de referência da Lusofonia em Paris, é promovida pela Associação Memória das Migrações, e comportará a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal.

Lusofolie's