O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, valores intrínsecos à terra e gente de Fafe, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de conhecimento e divulgação da Cultura, História e Tradição de Fafe na esteira do paradigma ético contido na figura do Morgado de Fafe

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Relembrar Auschwitz



Hoje, dia 27 de Janeiro de 2015, ano em que se comemora o septuagésimo aniversário do final da II Guerra Mundial, decorrem também os mesmos 70 anos da libertação do campo de concentração de Auschwitz, símbolo do maior crime cometido contra a Humanidade. Em memória de todos aqueles que padeceram a crueldade hedionda do nazismo, partilho o poema que escrevi no meu recente livro de poesia “Terra”, intitulado “Relembrar Auschwitz”, magnificamente ilustrado pelo artista plástico Orlando Pompeu, com todos para que nunca mais voltem “as cinzas da história que nunca devíamos ter deixado acontecer”.

 





Relembrar Auschwitz
 


Vagueiam nus
em Auschwitz,
perdidos no silêncio infame,
os corpos dos nossos irmãos
aguardando disformes
o prenúncio da morte.
Arrastam-se lentamente
presos num corpo despojado
de dignidade que já foi seu.
Imploram aos carcereiros
obreiros da iniquidade,
alivio para a dor lancinante
que dilacera as entranhas
da humanidade.
Erguem-se em Auschwitz
as vozes dos inocentes
que padeceram a crueldade
hedionda do Holocausto.
Repousam em Auschwitz
as cinzas da história
que nunca devíamos
ter deixado acontecer!


Autor - Daniel Bastos, in Terra
Pintor – Orlando Pompeu, in Terra
 

domingo, 25 de janeiro de 2015

Daniel Bastos apresentou livro de poesia na capital do Minho



No passado sábado (24 de Janeiro), o escritor Daniel Bastos apresentou o seu mais recente livro de poesia “Terra” na FNAC em Braga.


A obra com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue (Português e Francês), que conta com ilustrações do artista plástico português Orlando Pompeu, e prefácio do fotógrafo, poeta e pintor Gérald Bloncourt, Cavaleiro da Ordem das Artes e Letras de França, foi apresentada pelo docente e tradutor Paulo Teixeira que referenciou o sentimento telúrico presente na obra poética de Daniel Bastos, revelador do seu apego à terra-mãe.

A sessão cultural, que contou com a presença de vários amigos e conterrâneos do autor, computou a presença do pintor Orlando Pompeu, cuja obra consta de variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Inglaterra, Brasil, Estados Unidos, Japão e Dubai. O reconhecido artista plástico destacou a dimensão da obra ao nível da simbiose entre a linguagem artística da pintura e da poesia, realçando que as ilustrações da obra foram concebidas propositadamente a partir dos poemas.








No decurso da sessão de apresentação, o escritor Daniel Bastos, cujo percurso literário se tem destacado ao nível da investigação da história local, referiu que a sua estreia no campo da poesia assume-se como um desafio cultural, um novo modo de expressão de apego às suas raízes, e numa época de dificuldades, a sua crença inquebrantável nos valores essenciais da vida em comunidade.







Refira-se que o livro “Terra” será apresentado no próximo dia 7 de Fevereiro (sábado) às 16h00 em Paris, no Lusofolie's, um novo espaço de referência da cultura lusófona, situado no chamado "viaduto das artes".