Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Livro sobre a emigração portuguesa apresentado em Coimbra




No próximo dia 10 de dezembro (sábado), é apresentado em Coimbra o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.
A obra, concebida pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, é apresentada às 17h00 na Fnac Forum Coimbra.


Gérald Bloncourt ladeado pelo historiador Daniel Bastos (dir.)

 e pelo tradutor Paulo Teixeira (esq.)


A apresentação do livro, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que conta com prefácio do multipremiado pensador Eduardo Lourenço, estará a cargo do sociólogo Pedro Góis, professor na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e investigador do Centro de Estudos Sociais na área das Migrações Internacionais.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne igualmente memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa.
 
Capa do livro

Contra-capa do livro

Segundo Daniel Bastos, investigador da nova geração de historiadores portugueses, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, condecorado nas Comemorações oficiais do 10 de junho em Paris pelo presidente da República Portuguesa com a Ordem do Infante D. Henrique, é “um convite a uma viagem de redescoberta de um país e de um povo entre os povos”.



Refira-se que a sessão de apresentação da obra, que desde o seu lançamento oficial no início deste ano foi já lançada junto das comunidades portuguesas em Paris, Luxemburgo e Toronto, inclui a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que está a circular pelos diversos espaços da FNAC no território nacional.

sábado, 26 de novembro de 2016

POEMA - O olhar do mendigo

Com o aproximar da quadra natalícia, uma época de partilha e solidariedade, uma época de celebração da esperança num mundo melhor, rememoro o poema  “O olhar do mendigo”,  que integra o meu livro de poesia “Terra” magnificamente ilustrado pelo mestre-pintor Orlando Pompeu.
Orlando Pompeu - O olhar do mendigo

O olhar do mendigo

Possui no imenso nada
o propósito de viver
um dia de cada vez,
talvez sobreviver.
De mão estendida
e a tristeza no olhar
espera em silêncio
algo para se saciar.
Órfão do destino
tem o céu como teto,
a rua como cama,
o corpo descoberto.
Voltado à solidão
jaz andrajoso
envolto na escuridão.
Desprovido de sonhos,
o olhar de dor
do mendigo
espelha a humilhação
da nossa alienação.

Daniel Bastos, “O olhar do mendigo”, in Terra.