Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

domingo, 26 de agosto de 2012

Cepães recebeu Encontro Nacional de Jogo do Pau


No passado sábado à noite, 25 de Agosto, a freguesia de Cepães, uma freguesia do concelho de Fafe com intensa atividade industrial e aptidão agrícola, recebeu o 7.º Encontro de Jogo do Pau.


O evento dedicado ao sistema tradicional de combate português que demostra a perícia do manuseamento da antiga arma de combate popular na região (varapaus feitos de madeira de lódão) foi uma vez mais organizado pelo Centro Cultural e Recreativo de Juventude de Cepães, que com o apoio da Junta de Freguesia de Cepães e o Município de Fafe, trouxe a Cepães, uma freguesia com largas tradições nesta arte de combate tradicionalmente portuguesa, o Jogo do Pau da Casa do Povo de Espinheiro (Alcanena), o Grupo de Jogo do Pau do Ateneu Comercial de Lisboa, o Grupo de Jogo do Pau da Sociedade de Recreio Cepanense, o Grupo Sociedade Recreativa do Jogo do Pau de Salto (Montalegre), o Grupo de Jogo do Pau da Associação de Rebordões - Infesta (Celorico de Basto).









Com as bancadas do campo multiusos junto à Igreja Paroquial de Cepães repletas de aficionados desta tradicional arte de defesa, a iniciativa de cariz cultural e etnográfica contou ainda com a atuação do grupo organizador, e a presença do historiador Daniel Bastos, natural da freguesia de Cepães, em representação do Município de Fafe, Manuel Silva, presidente da Junta de Freguesia de Cepães, e o Pe. José Marques, padre da Paróquia de Cepães.  







Durante a expressiva manifestação popular tradicional, que primou pelo convívio e promoção do jogo do pau português, e que contou com a atuação do Grupo Coral de Espinheiro (Alcanena) e a presença de vários emigrantes prestes a regressar aos seus locais de trabalho disseminados pelo centro da Europa, os representantes da freguesia e do concelho confluíram na importância da iniciativa na dinamização e preservação da arte de jogo do pau em Cepães e Fafe.

O Presidente da Junta de Freguesia de Cepães, Manuel Silva, a agradeceu “o empenho do Centro Cultural e Recreativo de Juventude de Cepães, nas pessoas dos mestres José Avelino e José Carlos, na realização do 7.º Encontro de Jogo Pau”, elogiando a coletividade “que tem levado longe o nome de Cepães”.

O historiador Daniel Bastos, que evidenciou “a história do Jogo do Pau em Cepães”, destacou que o Jogo do Pau “ com largas tradições na nossa aldeia e no nosso concelho é atualmente apenas preservado na freguesia de Cepães”. Por seu lado, o pároco José Marques, reconheceu a importância do evento e enalteceu todos os agentes envolvidos na promoção da mesma, em particular o Centro Cultural e Recreativo de Juventude de Cepães.

Segundo José Avelino, Presidente do Centro Cultural e Recreativo de Juventude de Cepães, que agradeceu o apoio à coletividade da Junta de Freguesia de Cepães, da Câmara Municipal de Fafe e da Paróquia de Cepães, apelou “à união de esforços de todas as coletividades envolvidas na preservação do Jogo do Pau”, e assegurou aos presentes a perenidade desta expressiva manifestação popular tradicional.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

7.º Encontro de Jogo do Pau em Cepães


Realiza-se no próximo sábado à noite, 25 de Agosto às 21h00, o 7.º Encontro de Jogo do Pau organizado pelo Centro Cultural e Recreativo de Juventude de Cepães.
Com largas tradições no concelho de Fafe, em particular na freguesia de Cepães, este evento dedicado ao sistema tradicional de combate português que demostra a perícia do manuseamento da antiga arma de combate popular na região (varapaus feitos de madeira de lódão)
decorrerá no campo multiusos junto à Igreja Paroquial de Cepães.

Estando a entrada aberta a todos aqueles que queiram reviver as emoções pitorescas desta arte de combate tradicionalmente portuguesa, estarão este ano presentes em Cepães, além do grupo anfitrião, o Jogo do Pau da Casa do Povo de Espinheiro (Alcanena), o Grupo de Jogo do Pau do Ateneu Comercial de Lisboa, o Grupo de Jogo do Pau da Sociedade de Recreio Cepanense, Grupo Sociedade Recreativa do Jogo do Pau de Salto (Montalegre), o Grupo de Jogo do Pau da Associação de Rebordões - Infesta (Celorico de Basto), e o estreante Grupo de Jogo do Pau do Coral de Espinheiro (Alcanena).

Assente no lema “Uma tradição. Uma recordação do passado que ficou presente”, a organização do 7.º Encontro de Jogo do Pau em Cepães, promete uma noite marcada por uma expressiva manifestação popular tradicional.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Cepães foi palco de Encontro Nacional de Folclore


No passado sábado à noite, 18 de Agosto, a freguesia de Cepães, uma freguesia do concelho de Fafe com intensa atividade industrial e aptidão agrícola, foi palco do 4.º Encontro Nacional de Folclore. 

A iniciativa etnográfica, que decorreu nas imediações da Escola Básica de Cepães, foi uma vez mais promovida pelo Rancho Folclórico da Casa do Povo de Cepães, que com o apoio da Junta de Freguesia de Cepães e o Município de Fafe, trouxe este ano à freguesia, em tempos uma importante ligação entre Fafe e Guimarães devido à linha férrea que a atravessava, o Rancho Folclórico Divino Salvador de Delães (Vila Nova de Famalicão), Rancho Folclórico Casa do Povo de Aguçadoura (Póvoa de Varzim), Grupo Folclórico de Esgueira (Aveiro), Rancho Folclórico “Estrela D’Alva” (Seia), Rancho Folclórico Santa Maria de Lamoso (Paços de Ferreira).













Foram muitos os que compareceram ao festival, que contou ainda com a atuação do grupo organizador, e a presença do presidente da Câmara Municipal de Fafe, José Ribeiro, natural da freguesia de Cepães, o presidente da Junta de Freguesia, Manuel Silva, o historiador e presidente da Assembleia de Freguesia, Daniel Bastos, e o professor e escritor José Emídio Lopes, que ao longo dos últimos anos tem dinamizado a cultura e história de Cepães. 

 

Durante o encontro, que primou que primou pela boa música, convívio e promoção da cultura e do folclore nacional, e que contou com a presença de vários emigrantes que aproveitaram o festival para matar saudades da terra natal, os representantes da freguesia e do concelho foram unânimes quanto à mais-valia que a iniciativa representa para Cepães e Fafe. 

 

O autarca José Ribeiro, que recordou as suas raízes cepanenses, destacou que o folclore assume “ grande importância na nossa história, tradição e cultura”. Por seu lado, o presidente da Junta de Freguesia de Cepães, Manuel Silva, agradeceu “o empenho do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Cepães, na pessoa do seu presidente Francisco Alves, na realização do 4.º Encontro Nacional de Folclore”, elogiando o dinamismo da coletividade ”que tem levado longe o nome de Cepães”.  






Segundo Francisco Alves, presidente da Direcção do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Cepães, que agradeceu em particular a presença dos representantes da freguesia e do concelho, e em geral dos grupos convidados e dos participantes que abrilhantaram o festival, assegurou aos presentes a perenidade da tradição e a divulgação da cultura etnográfica de Cepães.

domingo, 5 de agosto de 2012

História da Santa Casa da Misericórdia de Fafe revivida em Travassós


Na passada sexta-feira, 3 de Agosto, a freguesia de Travassós, uma das maiores freguesias do concelho de Fafe, recebeu no Salão Paroquial Monsenhor Albano Teixeira a Exposição itinerante da Santa Casa da Misericórdia de Fafe evocativa dos Cortejos de Oferendas em benefício do Hospital da Misericórdia de Fafe.

A iniciativa cultural, promovida pelos jovens travassonenses Diogo Antunes e Anabela Martins, que segundos os mesmos se encontram “interessados em promover atividades importantes para o desenvolvimento da comunidade de Travassós e a divulgação do passado histórico da freguesia”, contou com a presença da Provedora da Santa Casa da Misericórdia de Fafe, Maria das Dores Ribeiro João, do historiador, Daniel Bastos, autor do livro “ Santa Casa da Misericórdia de Fafe – 150 Anos ao Serviço da Comunidade”, do Chefe de Departamento da Misericórdia de Fafe, Paulo Jorge Gonçalves, responsável pela exposição evocativa da instituição, e como convidado especial, o antigo Provedor da S.C.M.F. entre 1992 e 2001, natural de Travassós, António Gonçalves de Macedo.


A sessão, que computou ainda presença de vários travassonenses, representantes de coletividades e do presidente da Junta de Freguesia de Travassós, José Manuel Fernandes Silva, principiou às 21h30 com a inauguração da exposição. Composta por uma dezena de painéis enriquecidos com fotografias e documentos da época, a exposição sobre a realização dos Cortejos de Oferendas em benefício do Hospital da Misericórdia entre 1944 e 1965, retrata a generosidade constante da população da freguesia de Travassós ao longo da secular história da instituição de assistência.

Após a receção aos participantes no evento que foi feita pelos jovens travassonenses Diogo Antunes e Anabela Martins, que agradeceram a presença de todos os presentes, e em particular o apoio dado à iniciativa por parte da S.C.M.F., do Município de Fafe, da Paróquia de S. Tomé de Travassós, da Junta de Freguesia de Travassós, da Associação Rumo ao Futuro, e do Gabinete de Arquitetura e Engenharia, Arq§Art. A Provedora da Misericórdia de Fafe, Maria das Dores Ribeiro João, agradeceu o amável convite endereçado à instituição para estar presente na sessão, salientando os vários serviços sociais prestados pela instituição na comunidade.


Presente como convidado especial na cerimónia, António Gonçalves Macedo, natural de Travassós, recordou o seu percurso à frente dos destinos da organização na década de 90, e parabenizou a Provedora Maria das Dores Ribeiro João pela realização das comemorações do 150.º aniversário da S.C.M.F., assim como o historiador Daniel Bastos pelo modo pormenorizado como elaborou o livro da instituição.


Por seu lado, o historiador Daniel Bastos proferiu uma palestra que abordou os vários contributos da freguesia de Travassós ao longo da história da Misericórdia de Fafe, plasmada na figura singular do brasileiro de torna-viagem António Joaquim Vieira Montenegro, natural de Travassós, que se tornou um grande comerciante oitocentista na cidade do Rio de Janeiro, e cujo espirito benemérito beneficiou a Misericórdia e possibilitou a construção da Escola Primária Montenegro em Travassós, e o Asilo da Infância Desvalida em Fafe.


Por sua vez, o Chefe de Departamento da Misericórdia de Fafe, Paulo Jorge Gonçalves, responsável pela exposição evocativa da instituição, destacou a importância do arquivo da S.C.M.F. no estudo da história da organização, apontando que a itinerância da exposição possibilita resgatar a memória do povo anónimo que aos longos dos tempos apoiou generosamente a Misericórdia de Fafe.


No final da sessão, os jovens promotores do evento, renovaram os votos de agradecimento a todos os presentes, em particular aos oradores e às entidades que apoiaram a iniciativa cultural, propondo à Junta de Freguesia de Travassós que em ocasião oportuna possa consagrar na toponímia da povoação os travassonenses António Joaquim Vieira Montenegro e António Gonçalves Macedo, em reconhecimento dos seus valiosos contributos no campo social da freguesia e do concelho.


Refira-se que a Exposição evocativa dos Cortejos de Oferendas em benefício do Hospital da Misericórdia de Fafe estará patente no Salão Paroquial Monsenhor Albano Teixeira, nos seguintes dias e horários: sexta-feira, 3 de Agosto das 21h às 23h30; Sábado, 4 de Agosto das 16 h às 19h e Domingo, 5 de Agosto das 9h30 às 12h.