Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

domingo, 26 de julho de 2015

Capela de Santiago e S. Bento foi solenemente inaugurada em Cepães



No passado domingo (26 de julho), foi solenemente inaugurada a Capela de Santiago e S. Bento, localizada no cemitério da freguesia de Cepães no concelho de Fafe.


O projeto de recuperação da Capela de Santiago e S. Bento, que constitui um espaço simbólico e religioso de memória dos entes queridos da comunidade cepanense, resultou do empenho da Junta de Freguesia de Cepães, que procurou assim dignificar o cemitério paroquial que em tempos antigos albergou uma primitiva capela dedicada ao culto de Santiago e S. Bento, e que na atualidade disponha de um templo religioso que já não oferecia as melhores condições aos paroquianos.

Segundo Manuel Silva, presidente da Junta de Freguesia de Cepães, que agradeceu o apoio do anterior e atual executivo do Município de Fafe, representado na sessão pelo vice-presidente Pompeu Martins, a capela inaugurada “não foi uma obra fácil, uma vez que procuramos aproveitar algumas estruturas da anterior, com o objetivo de reduzir os custos da empreitada”.




O templo religioso foi solenemente inaugurado e benzido pelo padre José Marques, pároco de S. Mamede de Cepães, de Santa Cristina de Arões e de S. Lourenço de Golães, que enalteceu o empenho de toda a comunidade nas obras da capela, e salientou que o maior momento “das nossas vidas e mais sublime é quando dentro de nós deixamos que desperte um anseio de eternidade”.

sábado, 25 de julho de 2015

O atelier do mestre-pintor Orlando Pompeu



O atelier é o espaço por excelência onde os artistas desenvolvem as suas obras. É o caso do atelier do mestre-pintor Orlando Pompeu, um local de trabalho e de contemplação de um dos mais destacados artistas plásticos portugueses da atualidade, localizado na pitoresca freguesia de Cepães, no concelho de Fafe, onde o artista dá asas ao seu enorme talento e inspiração.




sexta-feira, 24 de julho de 2015

Sejam bem-vindos os emigrantes!



O mês de Agosto aproxima-se a passos largos e com ele retornam ao concelho de Fafe muitos dos nossos emigrantes espalhados pelos quatro cantos do mundo, que longe da nossa terra, mas sempre perto do coração das suas famílias e amigos, conquistam o direito a uma vida melhor. 
 
Centro da cidade de Fafe - Praça 25 de Abril
A todos os nossos emigrantes, que vêm passar as suas férias de Verão a Fafe, e a todos aqueles que pelos mais diversos motivos não podem vir visitar as suas famílias e amigos, um afectuoso e caloroso abraço de solidariedade e respeito por tudo que continuam a fazer em prol do desenvolvimento da nossa terra, da nossa gente e da nossa pátria.

Sejam muito bem-vindos a casa.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Daniel Bastos apresentou “Terra” na Livraria Lello



Na passada quinta-feira (16 de julho), o escritor Daniel Bastos apresentou na emblemática Livraria Lello no Porto, considerada uma das livrarias mais bonitas do mundo, o seu último livro de poesia “Terra”.


A obra com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue em Português e Francês, que conta com tradução de Paulo Teixeira, ilustrações do artista plástico Orlando Pompeu, e prefácio do poeta e pintor francês Gérald Bloncourt, foi apresentada por Filipe Larsen, Diretor do Festival 6 Continentes, o mais vasto evento cultural realizado no universo da Lusofonia.

No decurso da sessão cultural que encheu a centenária livraria da cidade Invicta, Filipe Larsen destacou a carreira ímpar do pintor Orlando Pompeu e a qualidade da tradução de Paulo Teixeira, e evidenciou o percurso literário do escritor e historiador Daniel Bastos, que tem a singularidade de ser alicerçado junto das comunidades portuguesas espalhadas pelos quatro cantos do mundo.









Por seu lado, o escritor natural de Fafe, que agradeceu a presença dos inúmeros amigos, conterrâneos, empresários e cultores das artes que marcaram presença na sessão de apresentação, afirmou que os seus poemas simples, telúricos e sem artificialismos, refletem um relação umbilical com a terra e as comunidades portuguesas.











Refira-se que esta apresentação na Livraria Lello, autêntico santuário das artes editoriais e livreiras, marcou o fim das apresentações oficiais da obra de estreia do escritor no campo da poesia. Desde o seu lançamento no final do ano passado Daniel Bastos esteve presente em várias sessões de apresentação do livro no território nacional e no espaço francófono europeu, designadamente no espaço cultural Lusofolie's em Paris, na Embaixada de Portugal em Bruxelas e na Livraria Camões em Genebra. 

Esta sessão na Livraria Lello incluiu ainda uma prova de vinho verde espumante Miogo, promovida pelos Vinhos Norte, um dos maiores produtores nacionais de vinho verde.

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Escritor Daniel Bastos apresenta “Terra” na Livraria Lello



No próximo dia 16 de julho (quinta-feira), o escritor Daniel Bastos apresenta às 19h30, na centenária Livraria Lello no Porto, considerada uma das casas livreiras mais belas do mundo, o seu último livro de poesia “Terra”.
 

O escritor Daniel Bastos (à esq.) no atelier do artista plástico Orlando Pompeu (ao centro), acompanhado do tradutor Paulo Teixeira

A apresentação da obra com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue em português e francês, traduzida pelo docente Paulo Teixeira e ilustrada pelo artista plástico Orlando Pompeu, que terá em exposição na emblemática livraria desenhos que concebeu a partir dos poemas, será apresentada por Filipe Larsen, Diretor do Festival 6 Continentes, o mais vasto evento cultural realizado no universo da Lusofonia.


Com um percurso literário que tem sido alicerçado junto das comunidades lusófonas, os poemas do escritor natural de Fafe são marcados por um sentimento telúrico que se reflete numa relação umbilical com a terra onde vive e com as comunidades portuguesas espalhadas pelos quatro cantos do mundo. Para Gérald Bloncourt, cavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra francesa que assina o prefácio da obra, o livro de estreia do autor minhoto no campo da poesia, perscruta as profundezas da humanidade, e os desenhos de Orlando Pompeu criam uma simbiose entre a linguagem artística da poesia e pintura.

Refira-se que esta apresentação na Livraria Lello, ex-líbris da cidade do Porto e um autêntico santuário das artes editoriais e livreiras, marca o fim das apresentações oficiais da obra, que desde o seu lançamento no final do ano passado levaram o escritor a estar presente em várias sessões de apresentação do livro no território nacional e no espaço francófono europeu, como no espaço cultural Lusofolie's em Paris, na Embaixada de Portugal em Bruxelas e na Livraria Camões em Genebra. 

Esta sessão literária simbólica incluirá uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, um dos maiores produtores nacionais de vinho verde que procura aliar a tradição de fazer vinho com a inovação no sector.