Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma atitude proativa perante o mundo. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente. Nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor, historiador, professor e político minhoto, natural de Fafe, Daniel Bastos.

domingo, 30 de dezembro de 2018

História da Casa do Povo de Cepães consagrada em livro


Na passada sexta-feira (28 de dezembro), o geógrafo e dirigente associativo, Manuel Cristóvão Barbosa, apresentou na Escola Básica de Cepães o livro “Casa do Povo - 75 anos ao serviço da cultura e dos mais desprotegidos em Cepães, Fareja e Armil”.

A sessão de apresentação da obra, que para além de consagrar os fundadores da Casa do Povo de Cepães, aborda alguns temas de cariz geográfico do concelho de Fafe e outros relacionados com a história das freguesias de Cepães, Fareja e Armil, o seu património, vivências e práticas religiosas, foi abrilhantada pelo Grupo de Cantares da Casa do Povo, que brindou os presentes com as suas populares e tradicionais cantigas, e esteve a cargo do historiador Daniel Bastos.



No decurso da sessão, que contou ainda com a presença na mesa de honra do Vereador da Cultura do Município de Fafe, Pompeu Martins, do Presidente da Assembleia Municipal de Fafe, José Ribeiro, que assina o prefácio do livro, do Presidente da Junta de Freguesia da União das Freguesias de Cepães e Fareja, Manuel Silva, e do Presidente da Junta de Freguesia de Armil, Jorge Magalhães, o historiador Daniel Bastos sustentou que a obra “é simultaneamente um repositório histórico de uma associação de referência local, assim como um instrumento de promoção das freguesias de Cepães, Fareja e Armil, e do concelho de Fafe”.

Refira-se que estão previstas para o próximo ano sessões de apresentação do livro junto das povoações de tradicional influência da Casa do Povo de Cepães, e que capa da obra conta com ilustração da autoria do também cepanense e mestre-pintor Orlando Pompeu.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

2019 um ano de homenagem a Gérald Bloncourt


O ano que agora termina fica marcado pela morte de um dos grandes nomes da fotografia humanista, Gérald Bloncourt, cujo espólio singular, formado por um conjunto iconográfico da maior importância para a história portuguesa do séc. XX, constitui um acervo fundamental para uma melhor compreensão e representação do nosso passado recente.
 
O fotógrafo Gérald Bloncourt, acompanhado do historiador Daniel Bastos, aquando do lançamento em 2016 do livro realizado pelo investigador sobre a epopeia da emigração portuguesa para França, que agora assina uma nova obra intitulada “Gérald Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”

Caminhava outubro para o seu fim quando o país recebeu a notícia da morte do nonagenário fotógrafo franco-haitiano que imortalizou a história da emigração portuguesa para França. Como assinala Eduardo Lourenço, “esses filhos da antiga raça dos navegadores não soçobraram à vista do porto», uma vez que a «título póstumo tiveram sorte em ter como companhia o sorriso aberto de marinheiro de Gérald Bloncourt. E a sua máquina para os lembrar para sempre nos retratos com que os salvou do esquecimento”.

Nesse sentido, e tendo como base o trabalho e percurso de vida do fotógrafo franco-haitiano que durante as Comemorações do 10 de Junho de 2016 em Paris foi distinguido com a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, o ano de 2019 que agora se aproxima, assinalará a realização de várias indicativas de homenagem a Gérald Bloncourt.

Entre 1 de fevereiro e 3 de março, as imagens de Bloncourt serão um dos destaques do iNstantes – Festival Internacional de Fotografia de Avintes, um dos eventos culturais mais importantes de Portugal, enriquecendo-se com diversas propostas dentro do mundo da fotografia artística, conceptual e de autor. Nas 25 exposições de fotógrafos de 10 países (Portugal, Espanha, Brasil, Colômbia, França, Suiça, Grécia, Roménia, Indonésia e Macau), avultará a exposição “O Olhar de Compromisso com os Filhos dos Grandes Descobridores”, que paralelamente com uma palestra abordará a vida dos portugueses em França nos anos 60.

O mês de abril assinalará ainda o lançamento do livro “Gérald Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”, dedicado a um outro período marcante da história contemporânea portuguesa. Designadamente a Revolução de Abril de 1974 da qual Bloncourt foi um espectador privilegiado, e cujas imagens praticamente inéditas revisitam a génese da nossa democracia.


domingo, 23 de dezembro de 2018

Feliz Natal e um Bom Ano Novo


A todos os amigos, conterrâneos e compatriotas, em particular aos que se encontram espalhadas pelos quatro cantos do Mundo, um sincero desejo de um Feliz Natal e um Bom Ano Novo, com o desígnio que nas noites frias de Inverno o calor da nossa amizade aqueça os nossos corações, e nos guie no rumo da Esperança e Solidariedade.
Primeira incursão do Afonso no mundo das artes!