Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Livro sobre a História, Memória e Património de Fafe foi apresentado à comunidade



No fim-de-semana passado (13, 14 e 15 de Dezembro), o historiador Daniel Bastos, o fotógrafo José Pedro Fernandes, e o tradutor Paulo Teixeira, apresentaram junto da comunidade local, o livro Fafe – História, Memória e Património.

A obra de 300 páginas com chancela da Editora CONVERSO, em edição trilingue (Português, Francês e Inglês), com prefácio do fotógrafo francês Gérald Bloncourt, foi lançada na sexta-feira à noite (13 de Dezembro), numa sessão inaugural que lotou por completo o auditório da Biblioteca Municipal de Fafe. 





video

Ainda na noite de 14 de Dezembro (sábado), a obra foi apresentada na FNAC em Guimarães.







 E na tarde de 15 de Dezembro (domingo), no Hipermercado E-Leclerc de Fafe, sessões culturais que foram também bastante participadas pela comunidade.






Ambas as sessões de lançamento da obra foram apresentadas pelo arquiteto e urbanista Renato Gama – Rosa, do Departamento de Património Histórico / Casa de Oswaldo Cruz / Fundação Oswaldo Cruz – Rio de Janeiro/Brasil, que caraterizou a obra como um espaço vivo de recordação, lembranças, interpretações, análises, leitura mágica do passado, e destacou a profunda influência da emigração “brasileira de torna-viagem” na construção contemporânea do concelho de Fafe.

Presente na sessão inaugural, que foi antecedida por um momento musical pela Banda Quarto C, uma banda fafense que prepara o seu primeiro trabalho de estúdio, o vice-presidente e vereador da Cultura da Câmara Municipal de Fafe, Pompeu Martins, evidenciou o contributo dos autores e a importância da obra na divulgação da História, Memória e Património de Fafe. Assim como o facto de o livro ser patrocinado por uma dezena de empresas representativas do tecido socioeconómico local, evidenciando a responsabilidade social e cultural de vários empresários de Fafe.

Em ambas as sessões de apresentação à comunidade, os autores salientaram que no ano em que se evoca os 500 anos da outorga do Foral Manuelino ao concelho de Monte Longo, que passou a designar-se Fafe nas reformas liberais do séc. XIX, o livro pretende assumir-se como um cartão-de-visita do concelho.

Segundo o historiador Daniel Bastos, a obra transmite uma imagem global e fundamentada da evolução do território concelhio das origens à atualidade, (re) construindo e (re) descobrindo a profusão do património material de interesse cultural, e  a diversidade do património natural e  imaterial de Fafe. 

Por seu lado, o fotógrafo José Pedro Fernandes aludiu que a centena de fotografias a preto e branco que ilustram a obra estão cronologicamente enquadradas e foram captadas dentro de critérios de simplicidade e originalidade. E o docente Paulo Teixeira, cujo trabalho de tradução permite uma leitura acessível e universal da história local a todos que queiram conhecer e visitar Fafe, apontou que cada língua tem o seu próprio sistema e a sua estrutura, reflexo de uma cultura que lhe confere uma forma muito própria de expressão.

Refira-se que estando já agendadas para o início do próximo ano sessões de apresentação da obra em várias lojas FNAC no território nacional, está igualmente previsto a apresentação do livro no estrangeiro junto da comunidade emigrante. A obra é ainda comercializada pelo Hipermercado E-Leclerc, e será distribuída pelas livrarias e pontos culturais e turísticos do concelho de Fafe.
Correio do Minho (2013-12-17)

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Lançamento do livro Fafe – História, Memória e Património

No próximo dia 13 de Dezembro (sexta-feira), o historiador Daniel Bastos, e o fotógrafo José Pedro Fernandes, apresentam às 21h30, no Auditório da Biblioteca Municipal de Fafe, o livro Fafe – História, Memória e Património.
Legenda - Da dir. para a esq.: o fotógrafo José Pedro Fernandes,
o historiador Daniel Bastos, e o tradutor Paulo Teixeira,
tendo como pano de fundo o monumento à Justiça de Fafe,
símbolo emblemático do concelho.

A obra de 300 páginas com chancela da Editora CONVERSO, em edição trilingue (Português, Francês e Inglês), conta com traduções de Paulo Teixeira, e prefácio do fotógrafo francês Gérald Bloncourt, e será apresentada pelo arquiteto e urbanista Renato Gama – Rosa, do Departamento de Património Histórico / Casa de Oswaldo Cruz / Fundação Oswaldo Cruz – Rio de Janeiro / Brasil.

No ano em que se evoca os 500 anos da outorga do Foral Manuelino ao concelho de Monte Longo, que passou a designar-se Fafe nas reformas liberais do séc. XIX, o livro que é patrocinado por uma dezena de empresas representativas do tecido socioeconómico local, constitui um autêntico cartão-de-visita para todos que queiram conhecer e visitar o concelho de Fafe.


Transmitindo uma imagem global e fundamentada da evolução do território concelhio das origens à atualidade, a obra, através de um enquadramento histórico assente numa centena de fotografias originais a preto e branco, (re) constrói e (re) descobre a profusão do património material de interesse cultural, e  a diversidade do património natural e  imaterial de Fafe. Como são o caso das lendas e tradições, onde sobressai a célebre lenda da Justiça de Fafe, que no séc. XX converteu-se numa apologia da justiça popular, simbolizada no afamado monumento do escultor Eduardo Tavares nas traseiras do Tribunal da Comarca de Fafe, mas também a relação entre o homem e a natureza, o pulsar das gentes, das instituições e das coletividade através dos fragmentos da história e da memória coletiva.


Segundo Gérald Bloncourt, reputado fotógrafo francês que assina o prefácio do livro, e que em 2009 doou ao Museu das Migrações e das Comunidades - Município de Fafe uma coleção de 104 fotografias sobre a vida dos emigrantes portugueses em França nas décadas de 50 e 60, o livro propondo aos leitores um olhar do passado no presente redescobre “locais por onde circulei nos anos sessenta. Mas esta obra é tão rica (textos e fotos) que acabei por descobrir muitas outras coisas que ignorava. Passei ao lado de tantos edifícios e de tantas paisagens que nem fazia ideia! Os dados históricos permitiram-me apreender melhor esta grande civilização. Era pois necessário e urgente que este livro fosse publicado para gravar na memória tudo o que tinha acontecido”.

Estando já agendadas sessões de apresentação da obra na FNAC em Guimarães, no dia 14 de Dezembro (sábado) às 21h30, e no Hipermercado Leclercq em Fafe, no dia 15 de Dezembro (domingo) às 15h00, grandes superfícies onde o livro será comercializado, assim como no estrangeiro junto da comunidade emigrante, a sessão inaugural no Auditório da Biblioteca Municipal será antecedida por um momento musical pela Banda Quarto C, uma banda fafense que prepara o seu primeiro trabalho de estúdio, Casa EP, com lançamento previsto para os primeiros meses do próximo ano.

http://www.tvdominho.com/4/post/2013/12/lanamento-do-livro-fafe-histria-memria-e-patrimnio.html



sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Minha terra, meu berço


Fafe: “Sala de Visitas do Minho” (Centro urbano - 2.ª metade do séc. XX)


A minha terra é o meu berço
um torrão de gentes e valores
forjado nos fragmentos da história,
e na argamassa da memória.
É a fonte da minha inspiração,
o desígnio do meu amor,
o escopo da minha dedicação.
Nela cresci, fiz-me homem,
sorvi o húmus da identidade
descobri as raízes da existência
a vida fraterna da comunidade.
A minha terra, a nossa terra,
é o principio de algo sem fim,
pão que alimenta a alma
rumo que diminui a saudade da distância,
cadência que norteia a constância

e impele o sentido do ser.


domingo, 10 de novembro de 2013

Olhares: A Guerra Colonial nas páginas da imprensa local

Olhares: A Guerra Colonial nas páginas da imprensa local: No âmbito do II Curso Livre de História Local, promovido pelo Núcleo de Artes e Letras de Fafe e subordinado à temática “O concelho de...


sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Vote no projeto "Semear Oportunidades" da Delegação de Fafe da CVP

A Delegação de Fafe da Cruz Vermelha Portuguesa tem a concurso o projeto “Semear Oportunidades”, no âmbito da Missão Sorriso do Continente.
Este projecto visa obter financiamento para melhorar as condições de armazenamento e entrega de produtos alimentares, através da aquisição de uma arca frigorífica, no valor de 13.966,65€, e sem a qual não será possível dar continuidade ao apoio alimentar prestado a cerca de 1000 famílias no concelho de Fafe, considerando que novos pedidos chegam continuamente. Para além disso, pretende-se reavaliar as condições socioeconómicas das famílias e alargar o apoio prestado, através da realização de ações de formação sobre horticultura doméstica e alimentação saudável e económica.
Para tal, votem no seguinte link: http://missaosorriso.continente.pt/index.php/projetos/concurso/0/60, e partilhem pelos amigos e outros contactos que possam possuir.

Um simples clique faz a diferença e pode fazer 1000 famílias felizes!

domingo, 3 de novembro de 2013

Iniciativas do Arciprestado de Fafe


Este  ano os Seminários de Braga (Seminário Conciliar e Seminário Menor) virão percorrer todas as Paróquias do Arciprestado (entre 9 e 17 de Novembro), promovendo uma Pastoral Vocacional que consciencialize para a importância da promoção e oração pelas Vocações.

 
 


Junto das Paróquias podem ser recolhidas informações sobre o dia em que o Seminário visitará a Comunidade Paroquial. Nesse dia, os formadores e seminaristas farão uma catequese com todos os adolescentes e participarão na Eucaristia Dominical.

 

 

5 de Novembro (terça-feira)

Igreja do Sagrado Coração de Jesus – 21.00

 

Encontro para todos os Catequistas, Professores de EMRC, Dirigentes do CNE, Animadores e membros dos Grupos de Jovens, membros dos vários Movimentos de Apostolado.

 

******************************************************************************

8 de Novembro (sexta-feira)

Igreja Nova (S. José) – 21.15

 

VIGÍLIA DE ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES E SEMINÁRIOS ARQUIDIOCESANOS, COM A PRESENÇA DOS SEMINARISTAS E RESPECTIVOS FORMADORES.

 

******************************************************************************

 

16 de Novembro (Sábado)

Igreja Nova (S. José) – 21.00

 

Concerto-Oração pelo Grupo Musical EFFATHA (entrada grátis)

 

Será um momento musical, intercalado por breves momentos de reflexão e oração, que proporcionará uma experiência diferente e enriquecedora para todos.

 

Podem consultar mais informações, e ouvir algo sobre o grupo, nos seguintes links...

 


 


 


 

Mais material e informação podem ser consultadas no seguinte site: http://www.ecclesia.pt/semanaseminarios2013/

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

VOLUNTÁRIOS BANCO ALIMENTAR - Próxima Campanha de Recolha em supermercados e online


Reserve já a data.

30 de novembro e 1 de dezembro

Se quiser ser voluntário contacte o Banco Alimentar da sua região.


 


Os Bancos Alimentares Contra a Fome são...

Uma resposta necessária mas provisória, porque "toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente que lhe assegure e à sua família, a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda aos serviços sociais necessários" (Excerto do artigo 25º da Declaração Universal dos Direitos do Homem)

Uma vocação

Os Bancos Alimentares são Instituições Particulares de Solidariedade Social que lutam contra o desperdício de produtos alimentares, encaminhando-os para distribuição gratuita às pessoas carenciadas.

Uma ética

A acção dos Bancos Alimentares assenta na gratuidade, na dádiva, na partilha, no voluntariado e no mecenato.

Um compromisso

Os Bancos Alimentares em actividade recolhem e distribuem várias dezenas de milhares de toneladas de produtos e apoiam ao longo de todo o ano, a acção de mais de 1.800 instituições em Portugal. Por sua vez, estas distribuem refeições confeccionadas e cabazes de alimentos a pessoas comprovadamente carenciadas, abrangendo já a distribuição total mais de 275.000 pessoas.

A Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome coordena esta acção, anima a rede disponibilizando informação e meios materiais, representa os Bancos Alimentares Contra a Fome junto dos poderes públicos, das empresas de âmbito nacional e de organizações internacionais e efectua, a nível nacional, a repartição de algumas dádivas, criando uma vasta cadeia de solidariedade.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

CONVITE - Dia D (dia do escritor de Língua Portuguesa Carlos Drummond de Andrade)


Dia D (dia do grande escritor de Língua Portuguesa Carlos Drummond de Andrade)
 

Programa de Fafe

Dia 29 de outubro na Biblioteca Municipal - 18h:
-Drummond apresenta-se;
- a voz das palavras;
-a música nas palavras;
- abertura da exposição «Carlos Drummond de Andrade, a vida e a obra».

Dias 29 e 31 de outubro pela cidade:
- divulgação da poesia de Carlos Drummond de Andrade pela cidade;
-exposição da obra do autor nas livrarias da cidade;
-a voz das palavras - sensibilização para a leitura da obra do poeta/escritor na livraria Altamira;

Dia 31de outubro na Escola Secundária de Fafe - durante todo o dia:
- exposição; leituras expressivas; encenações; a voz de Drummond; palestras; espaço de Drummond; encontros temáticos.

(Nota: A iniciativa conta com a colaboração do Agrupamento de escolas de Fafe, Município de Fafe, NALF, Biblioteca Municipal e Atriumemoria).


 

Organização: Alunos e professor de Literaturas de Língua Portuguesa e a Biblioteca da Escola Secundária de Fafe.

 

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO - Prevenção de complicações na pessoa submetida a cirurgia por cancro da mama


Desfolhada Tradicional em Cepães realiza-se este fim-de-semana (26 e 27 de Outubro)


Devido às adversidades meteorológicas que se abateram sobre a região no fim-de-semana passado, a Desfolhada Tradicional organizada pelo Rancho Folclórico da Casa do Povo de Cepães, com o apoio da Junta de Freguesia, realizar-se-á no próximo sábado e domingo (26 e 27 de Outubro).
 
Tendo como principal objetivo manter e divulgar este relevante costume minhoto, que retrata um trabalho agrícola em que se retira a espiga (ou maçaroca) do milho, cujo cultivo é uma tradição do Minho, o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Cepães convida toda a comunidade local no sábado, a partir das 20h00, a concentrar-se na Escola Básica de Cepães, onde se realizará a desfolhada.

A iniciativa, onde as pessoas em convívio poderão cumprir a tradição de desfolhar o milho, recorrendo aos usos e costumes de outros tempos, será animado pelos cantares do rancho anfitrião, assim como pelo Rancho Folclórico de Vila Chã (Amarante) e o Rancho Folclórico de S. Maria Moreira (Monção).

Prometendo recriar um ambiente rural muito semelhante ao dos tempos passados, reavivando os usos e costumes etnográficos cepanenses, em que não faltarão o bolo com sardinhas, o caldo e o vinho verde, a animação pitoresca e musical prolongar-se-á no domingo, a partir das 14h00, com a realização de um Encontro de Tocadores e Cantadores ao Desafio.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Rancho Folclórico da Casa do Povo de Cepães organiza Desfolhada Tradicional


O Rancho Folclórico da Casa do Povo de Cepães, com o apoio da Junta de Freguesia, organiza no próximo fim-de-semana em Cepães, uma freguesia do concelho de Fafe com intensa atividade industrial e aptidão agrícola, uma Desfolhada Tradicional.
 
Tendo como principal objetivo manter e divulgar este relevante costume minhoto, que retrata um trabalho agrícola em que se retira a espiga (ou maçaroca) do milho, cujo cultivo é uma tradição do Minho, o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Cepães convida toda a comunidade local no sábado (dia 19 de Outubro), a partir das 20h00, a concentrar-se na Escola Básica de Cepães, onde se realizará a desfolhada.

A iniciativa, onde as pessoas em convívio poderão cumprir a tradição de desfolhar o milho, recorrendo aos usos e costumes de outros tempos, será animado pelos cantares do rancho anfitrião, assim como pelo Rancho Folclórico de Vila Chã (Amarante) e o Rancho Folclórico de S. Maria Moreira (Monção).

Prometendo recriar um ambiente rural muito semelhante ao dos tempos passados, reavivando os usos e costumes etnográficos cepanenses, em que não faltarão o bolo com sardinhas, o caldo e o vinho verde, a animação pitoresca e musical prolongar-se-á no domingo (dia 20 de Outubro), a partir das 14h00, com a realização de um Encontro de Tocadores e Cantadores ao Desafio.