Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Minha terra, meu berço


Fafe: “Sala de Visitas do Minho” (Centro urbano - 2.ª metade do séc. XX)


A minha terra é o meu berço
um torrão de gentes e valores
forjado nos fragmentos da história,
e na argamassa da memória.
É a fonte da minha inspiração,
o desígnio do meu amor,
o escopo da minha dedicação.
Nela cresci, fiz-me homem,
sorvi o húmus da identidade
descobri as raízes da existência
a vida fraterna da comunidade.
A minha terra, a nossa terra,
é o principio de algo sem fim,
pão que alimenta a alma
rumo que diminui a saudade da distância,
cadência que norteia a constância

e impele o sentido do ser.


Sem comentários: