Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

História de Fafe apresentada na capital portuguesa



No passado dia 24 de Maio (sábado), o historiador Daniel Bastos, o fotógrafo José Pedro Fernandes, e o tradutor Paulo Teixeira, apresentaram na FNAC-Chiado em Lisboa, o livro Fafe – História, Memória e Património.


A obra de 300 páginas com chancela da Editora CONVERSO, em edição trilingue (Português, Francês e Inglês), com prefácio do fotógrafo francês Gérald Bloncourt, foi apresentada pelo antigo Secretário de Estado da Cultura e ex-Diretor Geral do Património Cultural (DGPC), o historiador Elísio Summavielle.



No decurso da sessão cultural, que contou com a presença de muitos fafenses, muitos dos quais radicados na região de Lisboa e ainda uma expressiva representação da Universidade Sénior do Rotary Club de Fafe, instituição onde o historiador Daniel Bastos leciona nos últimos anos em regime de voluntariado a disciplina de História Local, Elísio Summavielle, especialista em Património, autor de diversas publicações, e colaborador esporádico da imprensa diária e de revistas temáticas, fez uma descrição da obra atravessando diversos períodos da história do concelho de Fafe entroncando-a com a sua historia familiar. Realçando a importância da preservação do património, Elísio Summavielle lembrou que se trata de um “investimento invisível cuja realização não proporciona inaugurações oficiais, razão pela qual nem sempre merece a atenção que devia por parte dos organismos oficiais”.






Ao longo da sessão na cidade de Lisboa, os autores da obra, asseguraram que este «é um livro de afetos que retrata a beleza paisagística, o património histórico e cultural, os usos e costumes, os valores e a vida das gentes e das aldeias do concelho de Fafe”.

Refira-se que o livro Fafe – História, Memória e Património, recentemente dado a conhecer à comunidade emigrante portuguesa no Consulado de Portugal em Paris, e na Livraria Orfeu em Bruxelas, foi alvo de destaque na última edição da Revista DH - Debater História, uma revista de âmbito nacional escrita por historiadores e colaboradores, dirigida ao público geral que queira conhecer o presente sabendo o passado.

Sem comentários: