Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

História da Misericórdia de Fafe juntou a comunidade emigrante no Consulado Geral de Portugal em Paris


No passado dia 16 de Novembro, o historiador Daniel Bastos apresentou no Consulado Geral de Portugal em Paris o livro “Santa Casa da Misericórdia de Fafe – 150 Anos ao Serviço da Comunidade (1862 – 2012)”. A sessão, que juntou a comunidade emigrante em França, em particular a fafense, e encheu por completo a Sala Eça de Queirós, contou com a presença da provedora da Misericórdia de Fafe, Maria das Dores Ribeiro João, do presidente do Município de Fafe, José Ribeiro, do empresário fafense, radicado na capital francesa, Manuel Pinto Lopes, e do provedor da Misericórdia de Paris, Joaquim Silva Sousa.
Discurso - Daniel Bastos
Sessão



Vídeo reportagem da Lusopress.TV sobre a apresentação do livro da Misericórdia de Fafe no 

Consulado de Portugal em Paris 


A apresentação do livro, que assinala os 150 anos da Santa Casa da Misericórdia da Fafe (SCMF), actualmente uma das maiores instituições sociais do Norte do país, com centenas de utentes, de vários escalões etários, e mais de 200 funcionários, decorreu às 18h30, tendo a obra sido apresentada pelo benemérito empresário fafense Manuel Pinto Lopes, que ao longo dos últimos anos, directa ou indirectamente, ofereceu à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Fafe quatro veículos para combate a fogos florestais, duas ambulâncias, um veículo de fogos urbanos e uma auto-escada. O benemérito emigrante fafense, nomeado este ano pela Lusopress, no seio das Comunidades Portuguesas espalhadas pelos quatro cantos do mundo, um dos Dez Portugueses de Valor 2012, realçou o trabalho realizado por Daniel Bastos em prol da História da Misericórdia de Fafe, que considerou uma instituição de referência na solidariedade e apoio social no seu concelho.
Discurso - Manuel Pinto Lopes
Antes, Pedro Lourtie, Cônsul-Geral de Portugal em Paris, que saudou o autor, e a provedora da Misericórdia de Fafe, referiu a importância para a comunidade portuguesa, em particular para a fafense, da presença do autarca José Ribeiro na sessão, concelho onde se situa o Museu da Emigração e das Comunidades que o mesmo elogiou enquanto espaço de aprofundamento do conhecimento das migrações na diáspora portuguesa.
Discurso - Pedro Lourtie

O historiador fafense, que agradeceu aos responsáveis consulares, designadamente ao Cônsul-Geral de Portugal em Paris, Pedro Lourtie, e à conselheira cultural, Ana Nave, assim como ao conselheiro das Comunidades Portuguesas, natural de Fafe, Parcídio Peixoto, a oportunidade de apresentar novamente um livro de sua autoria à comunidade emigrante. Realçando com emoção o seu contentamento pela presença na sala de cerca de uma centena de patrícios e conterrâneos, Daniel Bastos sublinhou o contributo estruturante da emigração fafense na instituição, no concelho e no próprio fenómeno migratório português.


A provedora da Santa Casa da Misericórdia de Fafe, que renovou os agradecimentos às autoridades consulares e das comunidades pelo empenho na divulgação da história da instituição, assegurou que a Misericórdia de Fafe, conta com a generosidade da sociedade local e dos emigrantes fafenses para continuar a prestar no concelho um papel de auxílio e de ajuda à comunidade. A principal responsável da organização, que assegurou que a instituição tem apostado no bem-estar dos seus utentes, evidenciando os significativos investimentos na remodelação do Lar do Ex-Grémio, e a construção de um novo Lar no Outeiro, possíveis através de candidaturas e do apoio do Município, é gerida por princípios de solidariedade social.
Discurso - Maria das Dores Ribeiro João

O provedor da Misericórdia de Paris, Joaquim Silva Sousa, que explanou o passado da Santa Casa da Misericórdia de Paris, fundada no dia 13 de Junho de 1994, cuja missão passa por promover toda a acção de assistência e de beneficência, prioritariamente a favor dos portugueses residentes em França em situação de carência material, moral ou afectiva, aventou a partilha de ideias e experiências entre as Misericórdias de Fafe e de Paris, como reforço do importante papel destas instituições no compromisso de cidadania e ética de responsabilidade. 
Discurso - Joaquim Silva Sousa

Por seu lado, o presidente da Câmara Municipal de Fafe, José Ribeiro, que durante o fim-de-semana formalizou em França a geminação entre as cidades de Fafe, e a cidade de Sens, com o objectivo de intensificar as relações entre as duas localidades, sobretudo na área da actividade económica, elogiou o trabalho que Daniel Bastos tem desenvolvido no campo da História de Fafe. Agradecendo ao Consulado Geral de Portugal em Paris o papel activo na materialização do protocolo de geminação com a cidade de Sens, José Ribeiro, enalteceu o papel meritório da Misericórdia de Fafe para com os que mais necessitam, um trabalho a que o Município se tem associado através de apoio e colaboração efectiva com a instituição.
Discurso - José Ribeiro

Paralelamente à sessão de autógrafos do autor, decorreu uma prova de vinhos da Quinta de Naíde, cujos produtos vitivinícolas se assumiram como um importante cartão-de-visita do concelho de Fafe, e que conjuntamente com a degustação de queijos portugueses e franceses promovida pela mestra queijeira, Aida Cerqueira, proporcionaram um sabor característico e inconfundível à iniciativa cultural.
Autógrafos
Degustação de Vinhos e Queijos
Refira-se ainda, que no final da manhã de sábado (dia 17 de Novembro), o historiador Daniel Bastos, a provedora da Misericórdia de Fafe, Maria das Dores Ribeiro João, e o conselheiro das comunidades, Parcídio Peixoto, foram entrevistados pelo jornalista Carlos Vieira, da Rádio Alfa. Uma emissora privada que emite desde 1987 na Grande Paris para cerca de 800 mil portugueses e luso-descendentes, onde foi aflorada a cultura e campo social da Misericórdia de Fafe, assim como temáticas da actualidade concelhia e nacional, em que interveio igualmente, via telefone, o autarca José Ribeiro.
Rádio Alfa
Rádio R.G.B.
Ainda no final da manhã de domingo (dia 18 de Novembro), o historiador e a provedora foram convidados pela jornalista portuguesa Aida Cerqueira, locutora da rádio francesa R.G.B., no âmbito do programa Café Central, um espaço radiofónico dedicado à Lusofonia, para uma entrevista – tertúlia que abordou a dimensão sociocultural da Misericórdia de Fafe, e a Cultura de Solidariedade em Portugal.


Luso Jornal - 21 de Novembro de 2001
Luso Jornal - 14 de Novembro de 2001
Diário do Minho (2012-11-21)

Povo de Fafe (2012-11-23)
Correio do Minho (2012-11-25)



Sem comentários: