Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Escritor Daniel Bastos apresentou “Terra” em Paris



No passado sábado (7 de fevereiro), o escritor português Daniel Bastos apresentou o seu mais recente livro de poesia “Terra” em Paris.


A obra com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue (Português e Francês), com tradução do docente Paulo Teixeira, e que conta com ilustrações do artista plástico Orlando Pompeu e prefácio do fotógrafo, poeta e pintor Gérald Bloncourt, Cavaleiro da Ordem das Artes e Letras de França, foi apresentada pelo Diretor do Luso-Jornal, um jornal de referência da comunidade lusófona em França, Carlos Pereira.









No decurso da sessão de apresentação no Lusofolies, um novo espaço cultural da comunidade lusófona em França, situado no chamado "viaduto das artes”, que se encheu de compatriotas, Carlos Pereira assinalou o percurso literário de Daniel Bastos no campo da História, salientando que esta incursão do autor natural de Fafe na poesia, tal como nos seus anteriores livros de carácter histórico, revela uma estreita ligação às suas raízes que o prendem à terra, a Portugal e às comunidades portuguesas espalhadas pelos quatro cantos do mundo.

Por seu lado, o escritor minhoto, que agradeceu a receção calorosa por parte da comunidade emigrante, em particular do promotor cultural do Lusofolies, João Heitor, um homem das letras, dos livros, e da lusofonia, e de Parcidio Peixoto, Conselheiro das Comunidades Portuguesas em França, assegurou que a poesia é sinónimo de liberdade, de cultura e de solidariedade, e que nesse sentido a apresentação do livro em Paris era também uma homenagem às vítimas dos recentes ataques terroristas em França, assim como de reconhecimento pelo trabalho dos nossos emigrantes na construção de pontes entre povos e culturas.








Refira-se que estão programadas ao longo do presente ano, outras sessões de apresentação da obra poética em cidades europeias, e que o escritor e historiador português está já a trabalhar num novo livro com o fotógrafo francês Gérald Bloncourt que irá abordar a história da emigração portuguesa para França entre 1954 e1974.

Sem comentários: