Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Ângelo Santos reapresentou o seu romance de estreia no Salão Paroquial de Cepães


Na manhã de domingo passado, Ângelo Santos, voltou a apresentar o seu auspicioso romance de estreia, “ Do Éden ao Inferno”, desta vez no Salão Paroquial de Cepães, terra natal do promissor escritor.

A obra havia sido apresentada pela primeira vez no dia 30 de Setembro, no Auditório da Biblioteca Municipal de Fafe, que na ocasião se encheu de familiares e amigos que não deixaram de estar presentes nesta etapa de lançamento do escritor que exerce funções numa instituição bancária local.

No Salão Paroquial afluíram igualmente familiares e amigos que se quiseram associar a esta nova apresentação que foi promovida pelo pároco, José Marques, em reconhecimento percurso de vida do autor da freguesia. Na mesa da sessão de apresentação, estiveram ainda presentes, o historiador cepanense, Daniel Bastos, que salientou o talento de Ângelo Santos assim como o facto de durante o ano que agora finda terem sido apresentados quase uma vintena de autores de temática local. 


A reapresentação da obra esteve a cargo do investigador cepanense José Emídio Lopes, que fez uma profunda análise axiológica da obra, que segundo o mesmo é perpassada de uma mensagem de fé, compreensão e perseverança, contexto que arrancou um sentido agradecimento por parte do autor que afirmou rever-se na análise delineada por José Emídio Lopes, e que agradeceu a presença e gratidão de todos e em particular do amigo Pe. José Marques.

Sem comentários: