Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

terça-feira, 14 de abril de 2015

Aurora de Abril



Quando se aproxima o 41.º aniversário da Revolução de 25 de Abril de 1974, também conhecida como Revolução dos Cravos, uma data de viragem para Portugal que pôs fim ao Estado Novo e abriu caminho para a democracia e a liberdade, revivo o poema que escrevi no meu recente livro de poesia “Terra”, intitulado “Aurora de Abril”, magnificamente ilustrado pelo artista plástico Orlando Pompeu, e que partilho com todos que comungam dos ideais de Abril.
 
Orlando Pompeu, Aurora de Abril, in Terra




Aurora de Abril
 
Floriste nos cravos
vermelhos de abril,
brandindo as fardas
da ditosa revolução
sublevada em canção,
prenúncio primaveril
da almejada liberdade
que durante o negrume
da tirania se exprobrou,
mas que toda uma nação
- o valoroso povo luso
exaurido pela tragédia
e a pérfida soberba
do orgulhosamente sós -
singelamente conquistou.
Cumpra-se Abril então!

in Daniel Bastos, Terra, Editora Converso, 2014

Sem comentários: