Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Memórias da Chuva



Nestes dias de chuva que nos enlevam em nostalgia revivo o poema “Memórias da Chuva”, que faz parte do meu último livro de poesia “Terra” magnificamente ilustrado pelo mestre-pintor Orlando Pompeu:

Memórias da Chuva

Dentro das paredes do saber,
templo de culto da solidão,
perscruto o fragor da chuva
arauto dos mistérios da criação.
Descerro a janela da memória
embaciada de recordações,
e parto enlevado em velhas canções
para junto da criança que fui outrora.
De mãos dadas,
como se não houvesse amanhã,
chapinhamos nas poças de água
exalamos o cheiro a terra molhada
corremos pelos campos em flor
aspergidos do orvalho da aurora,
à procura dos buracos dos grilos
que apanhamos com delicado fervor.
Ao som dos seres cantores
prisioneiros em gaiolas coloridas,
adormecemos lado a lado
imaginando mil e uma novas partidas! 


Daniel Bastos, “Memórias da Chuva”, in Terra.






Sem comentários: