Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Classe política portuguesa

A Liberdade Guiando o Povo (1830)
Eugène Delacroix
Museu do Louvre-Paris

A classe política portuguesa tem que assentar o seu discurso e acção política numa estratégia de futuro e numa ética de responsabilidade.
            A actividade política tem que ser essencialmente uma missão de serviço público, uma vocação desprendida de contacto constante e próximo das pessoas e da realidade. A prossecução da actividade partidária, enquanto promotora do exercício da democracia e da cidadania exige(-nos) disponibilidade, abnegação e desprendimento.
A linha da frente do combate cívico e político tem que ser ocupada por quem está para servir, para dignificar, para acrescentar e marcar a diferença: o exercício político tem que assentar neste húmus ético. Os arautos da vida pública têm que ser os primeiros a darem o exemplo, a assumirem uma atitude de inconformismo e de equidade perante o curso dos acontecimentos da sociedade.

Sem comentários: