Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Paradigma remuneratório dos agentes da “res publica”


É incompreensível que em Portugal qualquer cidadão que exerça a sua actividade na vida pública possa auferir mais que o chefe de Estado. Enquanto garante da independência nacional e do funcionamento das instituições democráticas, e na senda da ética republicana portadora dos ideias da Liberdade, Igualdade e Fraternidade, o presidente da República tem que ser ipso facto o limite do paradigma remuneratório dos agentes da “res publica”.
            Este princípio tem que ser assumido pela classe politica portuguesa, porque é condição “sine qua non” para a ascensão e regeneração de elites políticas imbuídas de uma ética de responsabilidade, e geradoras de decisões políticas e económicas de futuro.

Sem comentários: