Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Escritor Daniel Bastos apresentou “Terra” em Genebra



No passado sábado (2 de Maio), o escritor português Daniel Bastos apresentou o seu novo livro de poesia “Terra” na Livraria Camões em Genebra.

A apresentação da obra, uma edição bilingue em Português e Francês, que conta com ilustrações do artista plástico português Orlando Pompeu, cuja obra consta de variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Inglaterra, Brasil, Estados Unidos, Japão e Dubai, e prefácio de Gérald Bloncourt, Cavaleiro da Ordem das Artes e Letras de França, contou com a presença de muitos conterrâneos e compatriotas do autor que encheram a livraria portuguesa em Genebra.




No decurso da sessão de apresentação, o escritor natural de Fafe, que agradeceu a receção calorosa da comunidade lusófona radicada em terras helvéticas, lamentou a ausência por motivos de saúde na iniciativa de Benjamim Ferreira, conhecido representante da comunidade portuguesa em Genebra, mostrou enorme satisfação por apresentar a sua obra num espaço cultural por onde já passaram nomes como Saramago, Fernando Campos, Nuno Júdice ou Vasco Graça Moura.








Segundo Daniel Bastos, o seu percurso literário, quer no campo da história, como agora no campo da poesia onde faz a sua estreia literária, tem sido alicerçado junto das comunidades lusófonas, refletindo uma relação umbilical com a sua terra, e com a história, memória e identidade cultural portuguesa que nos une a todos.









Refira-se que esta sessão cultural na Livraria Camões em Genebra incluiu uma prova de vinho verde, um produto vínico característico da região minhota de onde é natural o escritor, e que estão previstas ao longo dos próximos meses novas apresentações oficiais do livro em território nacional e no espaço francófono europeu.

Sem comentários: