Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Apresentação do livro “Santa Casa da Misericórdia de Fafe – 150 anos ao Serviço da Comunidade” no Rio de Janeiro

No próximo dia 6 de Novembro, o historiador Daniel Bastos apresenta no Rio de Janeiro - Brasil, o livro “Santa Casa da Misericórdia de Fafe – 150 anos ao Serviço da Comunidade (1862 – 2012)”.

Daniel Bastos

A apresentação do livro, integrada no evento comemorativo do Ano de Portugal no Brasil da Fundação Casa de Rui Barbosa, uma instituição pública federal, vinculada ao Ministério da Cultura que oferece um espaço reservado ao trabalho intelectual, à consulta de livros e documentos, e à preservação da memória nacional, decorrerá no auditório da instituição brasileira às 18h30, durante o encerramento de duas mesas – redondas, abertas à comunidade, que vão abordar a presença portuguesa nos acervos da Casa de Rui Barbosa, tendo como referência tanto o Museu Casa como os Arquivos, e a actuação das associações beneficentes Brasil – Portugal.
 
Fundação Casa de Rui Barbosa

 
Semana da Cultura 2012 
   
Convite
 
Recorde-se que o livro do historiador Daniel Bastos, que assinala os 150 anos da Santa Casa da Misericórdia da Fafe (SCMF), actualmente uma das maiores instituições sociais do Norte do país, com centenas de utentes, de vários escalões etários, e mais de 200 funcionários, destaca a importância dos emigrantes, no Brasil, na criação e desenvolvimento, no séc. XIX, daquela instituição de solidariedade.
O investigador recorda que a ideia partiu de um médico fafense, Miguel António Soares, que, por volta da 2.ª metade do séc. XIX, confrontado com as precárias condições de saúde da população local, pediu ajuda a um filho abastado, emigrado no Brasil.

Naquela época, residiam e trabalhavam no Rio de Janeiro dezenas de comerciantes oriundos de Fafe. Foram esses que, portadores de algumas fortunas pessoais, decidiram arranjar dinheiro para construir um hospital em Fafe, igual a outro que já existia naquela cidade brasileira.

Com os donativos oriundos do Brasil, o hospital viria a ser inaugurado em Março de 1863 com o propósito de assistir às populações mais pobres daquele concelho minhoto. Um ano antes, para gerir o equipamento, constituiu-se, com as elites locais, a irmandade da Santa Casa da Misericórdia.
 
O livro “Santa Casa da Misericórdia de Fafe – 150 anos ao Serviço da Comunidade”, edição da instituição, com aproximadamente 350 páginas e prefácio de Maria Beatriz Rocha – Trindade, Professora Catedrática da Universidade Aberta, e Fundadora e Investigadora do Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais (CEMRI), e posfácio do investigador Artur Ferreira Coimbra, que culminou este ano o programa oficial de comemorações do 150º aniversário da organização, apresenta documentação que retrata aquele e os períodos subsequentes.
Livro
No ano de Portugal no Brasil, iniciativa marcada pela realização de um conjunto polifacetado de manifestações que procuram mostrar no Brasil a criatividade e o conhecimento portugueses nas artes, cultura e pensamento, na economia e inovação tecnológica, na ciência e investigação, a apresentação do livro “Santa Casa da Misericórdia de Fafe – 150 anos ao Serviço da Comunidade” na Fundação Casa de Rui Barbosa, antiga moradia do comendador Albino de Oliveira Guimarães, uma personagem influente na Comunidade Portuguesa oitocentista do Rio de Janeiro e um construtor da modernidade na cidade de Fafe, assinala o contributo estruturante da emigração brasileira na instituição, no concelho e no próprio fenómeno migratório português.

 

 

Sem comentários: