Morgado de Fafe

O Morgado de Fafe, personagem literária consagrada na obra camiliana, demanda uma consciência crítica contra uma visão de sociedade enfeudada em artificialismos. A figura do rústico morgado minhoto marcada pela dignidade, honestidade, simplicidade e capacidade de trabalho, assume uma contemporaneidade premente, nesse sentido este espaço na blogosfera pretende ser uma plataforma de promoção de valores, de conhecimento e de divulgação dos trabalhos, actividades e percurso do escritor e historiador Daniel Bastos.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

O espírito crítico de Nietszhe

Nascido no seio de uma família alemã protestante luterana no findar do 2.º quartel do séc. XIX, Nietzsche aprimorou o seu espírito crítico na rejeição das tradições familiares e do Cristianismo, que para o filósofo tinha tomado “partido de tudo o que é fraco, baixo, incapaz” (O Anticristo), vindicando que o ““Evangelho” morreu na cruz” e assentando o seu pensamento na argamassa da cultura clássica grega.

Frederico Nietzsche (1844-1900)

Assim despontou, em Nietzsche, a crítica feroz à cultural ocidental, à moral tradicional, censurada pelo filósofo alemão por não estar “em contacto com a realidade” e ser “o melhor meio para conduzir a humanidade pelo nariz”. Para Nietzsche o martelo de Zaratustra derrubaria essa “receita da décadence, da própria imbecilidade”, e ao mesmo tempo reedificaria através do paradigma da tragédia grega, “os grandes espíritos” que seriam alimentados pela “força e liberdade, nascidas do vigor”.
 Celebrando a osmose entre a “forma” apolínea e o “irracional” dionisíaco, Nietzsche, pretendia assomar um Ubermensch, um novo homem, “uma espécie de super – homem” que fosse “superior à humanidade em força, em grandeza de alma, – e em desprezo”.
Nietzsche foi autor de uma obra profícua, perpassada pelo seu próprio drama de solidão, desilusão, loucura e enfermidade, que no início do séc. XX, o conduziria à presença perante Hades, mas que não impediu que ocupasse o seu lugar no Olimpo do pensamento e cultura contemporânea.
No plano filosófico o legado nietzschiano centra-se na necessidade imperiosa do Homem ultrapassar a ambiguidade da verdade – mentira, assumindo a sua essência criadora, não através de algum tipo de “superioridade” mas no fomento da cultura enquanto fonte de valores.

Sem comentários: